Nubank compra dezenas de URLs que poderiam ser usadas para golpes financeiros


Por Redação

14/10/2023  às  17:56:41 | | views 7932


@bcw-global/divulgação

Iniciativa faz parte da campanha #PareceMasNãoÉoNubank, cujo objetivo é alertar as pessoas sobre abordagens de golpistas que tentam se passar pela instituição para manipular vítimas


O Nubank lançou nesta sexta-feira (13) um portal de segurança para o qual serão direcionadas dezenas de URLs criadas para confundir as pessoas e, possivelmente, aplicar golpes. Diante da tática cada vez mais comum de fraudadores se fazerem passar por instituições financeiras para tentar convencer potenciais vítimas a realizar operações indevidas, o Nubank tem alertado as pessoas sobre os diferentes tipos de abordagens maliciosas que eles podem vir a sofrer.

 

"Queremos ir além do alerta e da conscientização das pessoas sobre essa prática criminosa e partir para uma ação mais concreta", afirma Juliana Roschel, diretora de marketing do Nubank. "Por isso, adquirimos domínios na internet que parecem do Nubank, mas não são - e que poderiam ser usados de forma maliciosa - e os redirecionamos para o site, um portal que ficará permanentemente disponível e concentrará informações e dicas de proteção contra fraudes e golpes", explica. Entre as URLs compradas estão, por exemplo, nubankbrasil, nubank, nubanks e wwwnubank.

 

O lançamento do portal faz parte da campanha #PareceMasNãoÉoNubank, criada para dar orientações relacionadas a temas como: quais são as táticas mais comuns entre os golpistas; como eles podem usar a marca Nubank para enganar as pessoas; como denunciar uma tentativa de golpe para o Nubank; como reconhecer um atendimento legítimo do Nubank; e como reconhecer os perfis legítimos da empresa na internet.

 

"As táticas de engenharia social, que nada mais são do que formas de manipular as vítimas psicologicamente para induzi-las a tomar ações que no fim das contas as prejudicam, são cada vez mais comuns em toda a indústria financeira. Isso porque os fraudadores têm encontrado dificuldades em burlar os sistemas de defesa das instituições, que vêm se tornando ainda mais sofisticados", afirma Fabiola Marchiori, vice-presidente de engenharia e gerente-geral de prevenção a fraude do Nubank. "Entre essas táticas, está a da falsa central de atendimento, em que as potenciais vítimas são abordadas em diferentes canais por pessoas e perfis que se fazem passar pelas instituições. Manter as pessoas bem informadas sobre essa prática é muito importante porque, na maioria das vezes, existe uma participação não intencional das próprias vítimas para que o golpe se concretize", completa.


#PareceMasNãoÉoNubank
Ao se apropriar dos domínios que utilizavam seu nome e poderiam confundir potenciais vítimas de golpe, o Nubank não apenas contribui para evitar que golpes utilizando essas URLs aconteçam, mas também chama atenção para a questão do uso indevido da marca por fraudadores. Além disso, se algum desses links ainda estiver sendo compartilhado, quem por acaso clicar nele será direcionado à página.

 

A campanha #PareceMasNãoÉoNubank será veiculada nas mídias digitais, contará com influenciadores e outras ações especiais ao longo dos próximos meses. O objetivo é que as pessoas se sintam mais no controle da situação, sendo capazes de perceber os sinais de um golpe e escapar dele. Caso se deparem com perfis ou conteúdos suspeitos nas redes sociais, a empresa encoraja o uso da hashtag da campanha para denúncias e ressalta a importância de entrar em contato sempre nos canais oficiais de atendimento. Além disso, o Nubank conta com o Canal de Denúncias, ferramenta que permite que qualquer pessoa, cliente ou não – de forma anônima ou pública – possa comunicar a instituição sobre tentativas de golpes e casos de má utilização da marca por terceiros. 



Comentários desta notícia 0



Comentários - ver todos os comentários


Seja o primeiro a comentar!

© Copyright 2002-2019 SEGNEWS - Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Rede SegComunicação. SEGNEWS e SEGWEB são marcas da BBVV Editora Ltda, devidamente registradas pelas normas do INPI — Instituto Nacional da Propriedade Industrial.