Lira quer votar nas próximas semanas lei em defesa do Estado Democrático de Direito


Por Redação

07/04/2021  às  11:38:05 | | views 5280


@ Reprodução/YouTube
Arthur Lira: não podemos cair no vácuo da supressão da Lei de Segurança Nacional

Projeto de 2002 substitui a Lei de Segurança Nacional


O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que os deputados podem começar a discutir e votar nas próximas semanas uma proposta (PL 6764/02) que introduz no Código Penal dispositivos legais sobre crimes contra o Estado Democrático de Direito. Lira informou que a relatora da proposta, deputada Margarete Coelho (PP-PI), deverá apresentar o parecer nos próximos dias e que a urgência do texto poderá ser votada já na semana que vem.

 

O texto original é de 2002 e volta a ser discutido agora no contexto do uso reiterado da Lei de Segurança Nacional. O Supremo Tribunal Federal também deve discutir a revogação de alguns dispositivos da lei do período da ditadura nos próximos dias.

 

Lira participou de debate sobre o tema produzido pelo Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM). O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, o ministro do STF Luís Roberto Barros, e o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, também participaram do evento.

 

Pandemia

Lira lembrou que a Câmara estabeleceu o combate à pandemia como prioridade a partir de um esforço concentrado de duas semanas com pautas específicas sobre o tema da Covid-19. Ele afirmou que depois desse prazo, mesmo focando na superação da crise sanitária e econômica, o tema da defesa do Estado Democrático de Direito é uma das prioridades.

 

“É importante que permitam que o Congresso se posicione rapidamente sobre esse assunto para que não possamos cair no vácuo da supressão da Lei de Segurança Nacional e deixar a defesa do Estado Democrático de Direito solta. Precisamos inserir isso dentro do Código Penal”, disse Lira.

 

“Queremos dar essa visão, estamos atentos e focados com a dificuldade da pauta da pandemia, mas essa pauta de conceitos da democracia, de um estado amplo, onde as pessoas possam expressar sua opinião e compatível com um mundo socialmente correto, certamente, a Câmara dará sua contribuição”, enfatizou.

 

O projeto de lei foi encaminhado ao Congresso em 2002 pelo então ministro da Justiça, Miguel Reale Júnior, para rever a Lei de Segurança Nacional e estabelece, entre outros pontos, o chamado crime de golpe de Estado, que não existe no direito brasileiro. (Com Agência Câmara)



Comentários desta notícia 0



Comentários - ver todos os comentários


Seja o primeiro a comentar!

© Copyright 2002-2019 SEGNEWS - Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Rede SegComunicação. SEGNEWS e SEGWEB são marcas da BBVV Editora Ltda, devidamente registradas pelas normas do INPI — Instituto Nacional da Propriedade Industrial.