Trânsito aéreo proibido em Hong Kong para passageiros de 153 países


Por Redação

14/01/2022  às  08:04:35 | | views 6597


© Tyrone Siu/Reuters/direitos reservados

Objetivo da medida, que dever durar um mês, é conter a propagação da covid-19


A partir do próximo domingo (16), fica proibido o trânsito de passageiros de mais de 150 países no aeroporto de Hong Kong. O objetivo da medida, anunciada nesta sexta-feira (14), é evitar a propagação da covid-19.

 

A suspensão, que afeta países classificados como de "alto risco" pelas autoridades de Hong Kong, vai vigorar durante um mês.

 

A medida amplia lista de países que já eram alvo de suspensão, incluindo agora passageiros procedentes de Portugal , Angola, Moçambique e Cabo Verde.

 

O objetivo é controlar a propagação da variante Ômicron, altamente contagiosa, justifica o aeroporto em seu site.

 

Hong Kong já tinha proibido o acesso ao território, desde 8 de Janeiro, de qualquer passageiro que tivesse permanecido mais de duas horas nos últimos 21 dias em oito países - Austrália, Canadá, Estados Unidos, França, Índia, Paquistão, Filipinas e Reino Unido.

 

Visitantes desses países poderão ainda entrar na cidade desde que sejam vacinados e submetidos a quarentena de 21 dias.

 

Juntamente com a China continental e Macau, Hong Kong é um dos últimos lugares do mundo a aderir à estratégia "covid zero", que consiste em evitar a propagação do coronavírus a todo o custo, e à política de isolamento dos pacientes e de seus contatos.

 

A estratégia permitiu à cidade, de 7,5 milhões de habitantes, registrar pouco mais de 12 mil casos da doença e apenas 213 mortes desde o início da pandemia. 

 

As autoridades estão em alerta desde o pequeno surto local da Ômicron em restaurante, que desencadeou campanhas maciças de testes, rastreio frenético de casos de contato, fechamento de bares, instalações desportivas, escolas, cinemas e museus, bem como o encerramento dos serviços de restaurantes a partir das 18h.

 

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no fim de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

 

A variante Ômicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi registrada na África Austral. Desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, em novembro, foram notificadas infecções em pelo menos 110 países. (Agência Brasil, com informações da RTP - Rádio e Televisão de Portugal)



Comentários desta notícia 0



Comentários - ver todos os comentários


Seja o primeiro a comentar!

© Copyright 2002-2019 SEGNEWS - Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Rede SegComunicação. SEGNEWS e SEGWEB são marcas da BBVV Editora Ltda, devidamente registradas pelas normas do INPI — Instituto Nacional da Propriedade Industrial.