Aeroportos da Infraero devem movimentar 3 milhões de passageiros


Por Redação

14/12/2021  às 16:21:52 | | views 6717


© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Aumento em Aeroportos da Infraero é 44% maior em relação ao final do ano passado


Os 37 aeroportos da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) devem receber cerca de 2,9 milhões de passageiros entre os dias 17 de dezembro de 2021 e 3 de janeiro de 2022, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (14) pela empresa.

 

O número é 44% maior em relação ao mesmo período do ano passado, entre os dias 18 de dezembro de 2020 e 4 de janeiro de 2021, quando 2 milhões de pessoas embarcaram e desembarcaram nos terminais da empresa.

 

Segundo a Infraero, estão previstos mais de 22 mil pousos e decolagens no período, uma alta de 37% em relação aos 16,5 mil voos realizados em 2020. O pico de movimento está previsto para os dias 20 e 23 de dezembro e 3 de janeiro.

 

Recomendações

Os aeroportos seguem as recomendações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre distanciamento social, uso de máscara e higienização das mãos dentro dos terminais. As orientações completas estão disponíveis no site da Infraero.

 

A empresa recomenda que os passageiros cheguem ao aeroporto com antecedência mínima de uma hora e meia para voos domésticos e de três horas para voos internacionais. 

 

Também está disponível para consulta, no site da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o Guia do Passageiro com informações sobre compra de passagem, documentos para embarque, orientações em caso de atraso, cancelamento e acessibilidade, entre outras recomendações. (Com Agência Brasil)



Comentários desta notícia 0



Comentários - ver todos os comentários


Seja o primeiro a comentar!

© Copyright 2002-2019 SEGNEWS - Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Rede SegComunicação. SEGNEWS e SEGWEB são marcas da BBVV Editora Ltda, devidamente registradas pelas normas do INPI — Instituto Nacional da Propriedade Industrial.