Empresas com política e normas de controle do imobilizado somam mais de 75%, diz pesquisa


Por Redação

01/12/2021  às  09:04:28 | | views 6662


@MGApress

Em sua segunda edição, a pesquisa segmentada para o setor contábil da área de patrimônio, traz novos dados para o mercado


Um dos cuidados que uma empresa deve ter, é com o seu patrimônio. E engana-se quem pensa que isto se trata apenas de dinheiro. Cadeiras, computadores e entre outros equipamentos fazem parte de toda uma estrutura de uma instituição, e faltar zelo com essas ferramentas pode trazer grandes problemas.

 

A Afixcode, empresa especializada em soluções completas para controle patrimonial, ajuda todos os segmentos do mercado a cuidar do seu patrimônio, oferecendo prestação de serviços, consultoria, softwares, fabricação própria das placas de patrimônio e treinamentos.

 

Visando atentar a todas as empresas a terem um zelo maior com seu patrimônio, a AFIXCODE lança sua segunda pesquisa sobre este mercado, chamada de "Cenário do Ativo Imobilizado 2021".

 

"As empresas estão aprendendo que é indispensável ter esse cuidado com seu patrimônio, controlando-o de forma adequada, entretanto, poucos sabem como fazer isso da forma correta. Desejamos que esse mercado de soluções patrimoniais seja mais explorado, e que todos possam conhecer os recursos que podem optar para seu negócio", comenta Glauco Oda, CEO da Afixcode.

 

Inclusão da gestão de ativos na cultura empresarial precisa melhorar

90,4% dos profissionais que participaram da pesquisa, consideram importante ou muito importante o setor patrimonial para a empresa. Porém, cerca de 53,8% dos gestores ainda encontram dificuldade em implementar a gestão do imobilizado na cultura empresarial, e colocam esta questão como um dos maiores desafios na gestão de ativos.

 

Outro número que chamou atenção foi de 40,8% das empresas não terem uma política de imobilização bem definida.

 

Adoção de etiquetas RFID ainda é baixa

Uma das soluções para empresas que têm um alto número de bens patrimoniais, é a utilização das placas com código de barras. Sua utilização é adotada por 73,8% das empresas. Mas essa não é a única forma das placas serem adotadas. Outra opção é a etiqueta RFID, mas apenas 2,3% dos participantes a utilizam, ainda ganhando espaço no mercado patrimonial.

 

Softwares genéricos não atendem às necessidades dos gestores

A tecnologia está muito presente no setor de soluções patrimoniais, mas as empresas ainda têm dificuldade de escolher qual a correta para sua empresa. Um dos grandes desafios que os gestores enfrentam, é a utilização de softwares genéricos, que não atendem demandas específicas do setor, pois não foram desenvolvidas para ela. Cerca de 38,5% dos participantes consideram essa a maior dificuldade da gestão patrimonial.

 

Profissionais da área patrimonial tem realizado mais cursos

A profissionalização dos responsáveis da área de patrimônio é algo que tem crescido no mercado. A pesquisa aponta um aumento significativo de profissionais buscando cursos e treinamentos. Em 2020, o percentual era de 7,4% e agora já são 13,9% dos profissionais que realizam mais de um curso por ano.

 

A pandemia impactou a gestão do imobilizado nas empresa

A chegada da pandemia afetou todos os setores comerciais do mundo. Para o setor patrimonial não foi diferente. 22,7% dos respondentes afirmam que ainda estão sentindo os efeitos negativos, como por exemplo o atraso no cronograma do controle do imobilizado, e cerca de 25% não fizeram nenhum tipo de controle do imobilizado durante esse período.

 

A metodologia que a Afixcode utilizou para a realização da pesquisa foi por meio de uma pesquisa online, onde captaram dados de mais de 267 profissionais que atuam diretamente com o ativo imobilizado em suas empresas em todo o país. Para quem deseja acessar a pesquisa em sua integralidade, pode acessar por meio deste link.



Comentários desta notícia 0



Comentários - ver todos os comentários


Seja o primeiro a comentar!

© Copyright 2002-2019 SEGNEWS - Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Rede SegComunicação. SEGNEWS e SEGWEB são marcas da BBVV Editora Ltda, devidamente registradas pelas normas do INPI — Instituto Nacional da Propriedade Industrial.