Pesquisa com 600 gestores de RH revela a diferença entre as empresas mais reativas


Por Redação

29/11/2021  às  10:15:46 | | views 6669


@freepik/Adobe Stock

Líderes em EX têm 12 vezes mais probabilidade de conquistar crescimento de receitas superiores a 20% em 2020


A Medallia, Inc., líder global em experiência de clientes e colaboradores, e a The Josh Bersin Company divulgaram nesta segunda-feira (29) uma nova pesquisa que identifica três práticas chaves que podem ajudar as organizações a entregar uma melhor experiência aos colaboradores.  "As empresas brasileiras vivem um momento de grande transformação cultural", ressalta Vitor Simão, Diretor Regional da Medallia Brasil. "Uma pesquisa como essa revela os diferenciais das organizações que já entenderam a importância de programas de melhoria contínua da experiência de seus colaboradores - há um abismo entre quem avança nessa disciplina e quem está atrasado nessa jornada". O estudo mostra, por exemplo, que os líderes em experiência dos colaboradores têm 12 vezes mais probabilidade de conquistar crescimento de receitas superiores a 20% em relação ao faturamento em 2020. "Dados como estes mostram os resultados concretos que um programa de experiência de colaboradores pode trazer a uma empresa".

 

Entre março e julho de 2021, o Medallia Institute, em parceria com o analista de mercado Josh Bersin e a The Josh Bersin Company, entrevistou gestores de RH e líderes de experiência de colaboradores de mais de 600 organizações norte-americanas. A pesquisa foi projetada para ajudar a entender a ligação entre práticas de melhoria de experiência dos colaboradores e os resultados de gestão e de negócios. Isso incluiu medir a satisfação e o engajamento dos colaboradores, resultados de negócios e impacto sobre a receita.

 

A equipe analisou as características que distinguem os entrevistados de melhor desempenho ("líderes" – os que receberam notas no 10º percentil superior) dos de pior desempenho ("reativos" – os situados no 10º percentil inferior) e explorou como as práticas e os resultados diferem entre esses dois grupos.

 

Os achados já estão disponíveis no relatório Moving Toward Excellence: Key Practices That Differentiate Leaders and Laggards (Avançando para a excelência em experiência dos colaboradores: Práticas chaves que diferenciam os líderes e os reativos).

 

O estudo revelou três práticas chaves que distinguem e diferenciam os líderes em experiência dos colaboradores:

1. Os líderes capturam dados atuais, usando um conjunto diversificado de fontes diretas e indiretas: Mais da metade dos reativos capturam feedback dos colaboradores somente uma vez por ano ou menos. 

 

Como resultado disso, esses gestores se arriscam a basear suas decisões em informações desatualizadas e não dão aos colaboradores a oportunidade de expressar suas preocupações ao longo de sua jornada regular de trabalho.

 

a.Mensagens de texto – Os líderes usam uma ampla variedade de canais para capturar feedback dos colaboradores. A diferença entre os líderes e os reativos é mais pronunciada no uso de mensagens de texto. Quase um quarto (24%) dos líderes usam mensagens de texto como um canal de feedback, contra 6% dos reativos.

 

b.O uso de dados não estruturados para coletar feedback dos colaboradores – Os líderes têm o dobro da probabilidade dos reativos de usar plataformas de comunidade interna ou de colaboração (bem como solicitações ou tíquetes de suporte) como fontes de dados não estruturados para obter feedback dos colaboradores.

 

2. Líderes não se intimidam com questões difíceis: Em uma escala de cinco pontos, os líderes atingiram 4,37 quando perguntados se concordavam que proporcionam um ambiente no qual os colaboradores se sentem suficientemente seguros para compartilhar informações verídicas acerca da empresa; os reativos nem concordaram nem discordaram, atingindo 3,06 de 5 pontos possíveis.

a. Diversidade e inclusão – Mais da metade dos líderes perguntam aos colaboradores sobre suas percepções a respeito de diversidade e inclusão, contra um terço dos reativos.

 

3. Líderes tornam a experiência dos colaboradores uma parte de sua estratégia organizacional: Noventa e três por cento (93%) dos líderes têm uma equipe dedicada de experiência dos colaboradores, em comparação com 59% dos reativos. Essas equipes são fortemente colaborativas, com 72% dos líderes relatando que os líderes diretos de equipes e os gestores de pessoal são fortemente envolvidos em iniciativas de experiência dos colaboradores abrangendo a empresa toda, enquanto apenas 18% dos reativos dizem o mesmo.

a.Ações realizadas com prontidão, proativas e baseadas em dados – Setenta por cento (70%) dos líderes usam dados acerca da experiência dos colaboradores para estabelecer prioridades a cada trimestre ou mês, reconhecendo a necessidade de entender continuamente a sua força de trabalho e agir com base em dados, no momento.

 

"A excelência em experiência dos colaboradores exige das empresas a obtenção de uma imagem fiel e em tempo real das percepções de seus colaboradores e das questões frequentemente sensíveis que afetam as pessoas", disse Melissa Arronte, Diretora de Soluções para Experiência dos colaboradores da Medallia. "Em seguida, elas precisam agir de maneira proativa e significativa, em uma estratégia adotada e apoiada por toda a organização. As que fizerem isso observarão, como resultado, benefícios reais para os seus colaboradores."



Comentários desta notícia 0



Comentários - ver todos os comentários


Seja o primeiro a comentar!

© Copyright 2002-2019 SEGNEWS - Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Rede SegComunicação. SEGNEWS e SEGWEB são marcas da BBVV Editora Ltda, devidamente registradas pelas normas do INPI — Instituto Nacional da Propriedade Industrial.