Perdas comerciais podem totalizar US$ 3,5 trilhões em 2020


Por Redação

04/05/2020  às  14:45:19 | | views 6711


© Licencia Freepik

Economistas da Euler Hermes atualizam os impactos do Covid-19 na economia


No último relatório de análise econômica e do mercado de capitais, o time de economistas das Euler Hermes, líder mundial em seguro de crédito e especialista em seguro garantia, destacou as três ondas de choque do Covid-19 na economia, do comércio ao financeiro e ao bloqueio. Em nova análise, vários indicadores importantes apontam um melhor dimensionamento deste choque.

 

De acordo com o relatório, os bloqueios provocaram um choque econômico de proporções sem precedentes. Levando em conta a progressão mais recente da pandemia e as decisões de diferentes autoridades, levou a uma revisão descendente significativa de cenário global do PIB de + 0,5% a -3,3% em 2020. Espera-se agora que o mínimo de atividade fique entre -10% e -20% q / q no segundo trimestre, dependendo do rigor dos bloqueios entre os países.

 

"Esta é a pior recessão desde a Segunda Guerra Mundial, equivalente a US$ 9tn perdidos ou o PIB da Alemanha e do Japão combinados, e mais do que o dobro da Crise Financeira Global de 2009", avalia o economista-chefe da Euler Hermes, Ludovic Subran.

 

As perdas comerciais podem totalizar US$ 3,5tn em 2020. É esperado dois quartos de recessão no comércio de bens e serviços (Q1 e Q2), o que trará a contração anual do volume para -15% em 2020. Em termos de valor, preços em queda de commodities e um dólar mais forte pesará nos preços. Os economistas avaliam ainda que o comércio global de valor caia em -20%.

 

Aumento das falências

Apesar do apoio sem precedentes, as insolvências devem aumentar em + 20% em 2020, de acordo com o relatório. Considerando a sensibilidade histórica ao ciclo econômico e às intervenções do governo para apoiar as empresas (diferimentos de impostos, empréstimos e garantias estatais) e evitar as principais insolvências e seus efeitos dominó, é esperado que as insolvências globais aumentem pelo menos + 20% em 2020. Este quarto ano consecutivo de insolvências crescentes resultaria de um aumento de + 25% nos EUA, um aumento de + 15% na China e um aumento de + 19% na Europa.

 

Perspectivas regionais

Nos EUA, uma duração bastante curta das políticas de bloqueio limitará o impacto do choque Covid-19. "Esperamos que mais estímulos fiscais sejam anunciados antes do final do ano em favor do setor corporativo e dos municípios, enquanto os US? 2 trilhões anunciados para o programa de gastos em infraestrutura é menos certo", afirma Subran.

 

O choque do Covid-19 ficou imediatamente visível nas condições do mercado de trabalho: as reivindicações iniciais de desemprego saltaram para uma alta histórica de 22 milhões de pessoas nas duas últimas semanas de março e nas duas primeiras semanas de abril, o que provavelmente elevará a taxa de desemprego de 4,4% para 13,5% antes do final do ano. Em termos de crescimento, esse tipo de ajuste espelharia um declínio significativo de crescimento de + 2,5% aa / a no quarto trimestre de 2019 para uma média de -8,6% aa / a no segundo trimestre de 2020 (-30 q / q anualizado). Nessas circunstâncias, o crescimento do PIB dos EUA se contrairia em -2,7% a / a em 2020, em comparação com seu crescimento de + 2,3% a / a em 2019.

 

A economia da zona do euro levará um ano para se recuperar aos níveis pré-crise. O choque doméstico é responsável por 30% a 40% em países onde o confinamento é muito rigoroso, como Espanha, Itália, França e Reino Unido. Um período de confinamento de dois meses, associado a uma redução gradual das medidas de contenção, levará a economia europeia à recessão mais acentuada desde a Segunda Guerra Mundial.

 

É esperado que o crescimento do PIB se contrate fortemente no primeiro semestre de 2020 (-4% q / q para -8% q / q no primeiro trimestre e de -10% para -20% q / q no segundo trimestre, dependendo do país). A flexibilização gradual das medidas de contenção em vários países a partir do início de maio definirá o cenário para uma recuperação acentuada - embora em grande parte técnica - do PIB no H2 2020.

 

Além disso, o confinamento a princípio preocupará amplamente a economia doméstica. Como resultado, a perspectiva é de que o mercado único da UE permaneça prejudicado pelas restrições de fronteira até o início de 2021. Enquanto isso, as restrições externas de fronteira da UE - em particular contra países menos capazes de conter o surto de vírus ou que seguem uma estratégia de imunidade de rebanho - poderiam permanecem no local até 2021 até que uma vacina seja aplicada. Portanto, deve levar até o início de 2021 - ou seja, um ano inteiro - para que o PIB da zona do euro se recupere aos níveis anteriores ao Covid-19.

 

Na China, a previsão da Euler Hermes é de crescimento do PIB para 2020 de + 1,8%, revisada em relação a + 4,0% (após + 6,1% em 2019). "Consideramos o impacto das últimas notícias do Covid-19 no mercado interno e no resto do mundo: o risco de segundas ondas de surtos na China está atrasando a retomada das atividades e a demanda doméstica, e as medidas de confinamento em vigor nos parceiros comerciais da China estão pressionando demanda externa", analisa o economista-chefe.

 

Já na América Latina, a recessão é inevitável e provavelmente será a mais forte já registrada, devido a um choque triplo. O choque do preço comercial e de commodities na China, o choque no preço do petróleo e, finalmente, o forte choque das medidas de confinamento em praticamente todas as economias. "No geral, esperamos uma contração de cerca de -4,1% em 2020 em nosso cenário em forma de U da linha de base e -8% em caso de crise prolongada. A flexibilização da política monetária ajudará a amortecer o golpe, mas não impedirá a recessão", afirma Subran.

 

Poucos países têm margem de manobra fiscal (Chile, Peru, México em menor grau) e muitos terão que recorrer a empréstimos de emergência do FMI. Os países em maior risco são exportadores de petróleo, destinos turísticos e países da América Central de baixa renda. O risco de erros políticos é alto no México e no Brasil, onde a pressão política e a informalidade do trabalho dificultam ainda mais o cenário.

 

Figura 1 - Previsões de crescimento do PIB global

Fontes: Euler Hermes, Allianz Research
 
 
 
Figura 2 - Crescimento do comércio global em volume e valor (%, a / a)
Fontes: ITC, Euler Hermes, Allianz Research



Comentários desta notícia 0



Comentários - ver todos os comentários


Seja o primeiro a comentar!

© Copyright 2002-2019 SEGNEWS - Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Rede SegComunicação. SEGNEWS e SEGWEB são marcas da BBVV Editora Ltda, devidamente registradas pelas normas do INPI — Instituto Nacional da Propriedade Industrial.