Venezuela busca ajuda de Cuba, Rússia e China para crise


Por Redação

23/05/2019  às  08:35:19 | | views 782


REUTERS/Denis Balibouse

A informação foi dada pelo o ministro da Saúde da Venezuela, Carlos Alvarado. durante encontro da OMS, em Genebra


O governo da Venezuela está recorrendo, cada vez mais, aos aliados Cuba, China e Rússia para neutralizar uma crise de saúde causada por sanções dos Estados Unidos (EUA), disse ontem (22) o ministro da Saúde da Venezuela, Carlos Alvarado. Ele participa em Genebra de um encontro da Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

Os venezuelanos estão sofrendo com a escassez de remédios e equipamentos de saúde há vários anos, já que o país mergulhou no caos econômico e no conflito político. A oposição culpa a incompetência econômica e a corrupção do movimento de esquerda no poder há duas décadas, mas Maduro diz que as sanções econômicas norte-americanas são a causa.

 

Carlos Alvarado, afirmou que as sanções provocaram o congelamento de US$ 5,6 bilhões em ativos, incluindo ouro no Banco da Inglaterra e fundos em grandes instituições, como o Citibank. Isso cobriria as necessidades médicas da Venezuela durante seis anos, disse ele em  comunicado. "Hoje, certamente, podemos dizer que o maior problema de saúde é o bloqueio criminoso dos Estados Unidos de que somos vítimas. O que estamos fazendo na Venezuela para superar essa situação? Não ficamos de mãos cruzadas. Estamos fortalecendo nossas alianças com países como Cuba, China, Rússia, Turquia, Palestina e Irã".

 

As sanções estão prejudicando toda a população devido à moeda estrangeira insuficiente para as importações de remédios, e algumas doenças ressurgiram, como o sarampo. "A maior ameaça que temos é a ameaça de guerra que o governo dos EUA impõe ao povo venezuelano, afirmou Alvarado.

 

O governo do presidente Donald Trump não descartou uma ação militar para retirar o que Washington e dezenas de outras nações consideram um governo ilegítimo, que fraudou uma eleição em 2018. Os EUA e muitos países europeus e latino-americanos reconheceram o líder opositor Juan Guaidó, que invocou a Constituição para assumir uma presidência interina em janeiro, como líder genuíno da Venezuela. O presidente Nicolás Maduro, no entanto, mantém o controle das funções estatais e o apoio da cúpula militar.

 

 

A crise levou 3,7 milhões de venezuelanos ao exterior, a maioria a partir de 2015, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU).Todos os 300 hospitais da Venezuela estão funcionando, mas alguns carecem de medicamentos e peças para equipamentos, disse Alvarado. (Com Agência Brasil)



Comentários desta notícia 0



Comentários - ver todos os comentários


Seja o primeiro a comentar!

© Copyright 2002-2019 SEGNEWS - Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Rede SegComunicação. SEGNEWS e SEGWEB são marcas da BBVV Editora Ltda, devidamente registradas pelas normas do INPI — Instituto Nacional da Propriedade Industrial.