Vigilante que agrediu cão em supermercado será investigado


Por Natalino José Borring

05/12/2018  às  11:56:19 | Atualizado em 05/12/2018 - 13:07:45 | views 96


Foto: Reprodução Facebook

Nas imagens das câmeras de segurança é possível ver o segurança do Carrefour, em Osasco (SP), correndo atrás do cão com uma barra de ferro


Uma ação lamentável de um vigilante de uma unidade da rede de hipermercados Carrefour de Osasco, na Grande São Paulo, tem revoltado a população e, principalmente, os ativistas que lutam pela defesa dos animais. O caso aconteceu no dia 28 de novembro, quando, para tentar evitar que um cachorro voltasse a entrar na loja, o segurança bateu violentamente no animal com uma barra de ferro. Há relatos de que o animal também teria sido envenenado. Mesmo sangrando, o cão tenta se abrigar dentro do hipermercado, deixando várias marcas de sangue pelo local.

 

Uma das denúncias foi feita por Isabela Marcelino, por meio de redes sociais. Segundo relatos, o animal circulava pela loja do Carrefour, por cerca de uma semana. Ela diz, ainda, que o espancamento ocorreu por um dos vigilantes que seguiu ordem superior.

 

Segundo informações da delegada Silvia Fagundes, imagens das câmeras de segurança, que monitoram a unidade do Carrefour, comprovam os maus-tratos ao cachorro que morreu após ser resgatado pelo CCZ (Centro de Controle de Zoonoses). Um inquérito sobre o caso foi instaurado na segunda-feira passada (3).

 

Na terça-feira (4), a ativista Luisa Mell, que luta em defesa dos animais, esteve na Delegacia do Meio Ambiente. Segundo ela, após conseguir as imagens, ficou muito claro a agressão sofrida pelo cachorro devido à ação do vigilante.

 

O vereador Ralfi Silva (Podemos), que acompanhou a ativista na delegacia, contou que para agredir o animal, o vigilante usou uma barra de alumínio, que já foi apreendida.

 

Inicialmente, o Centro de Controle de Zoonoses recebeu um chamado para resgatar um cão que fora "supostamente" atropelado no estacionamento do Carrefour. As denúncias sobre as reais causas da morte do animal, que foi resgatado com vida, porém com ferimentos muito sérios, só vieram à tona depois das denúncias feitas pelas redes sociais na internet.

 

A Prefeitura de Osasco afirmou, por meio de nota divulgada no dia 4 de dezembro, que o Departamento de Fauna e Bem-Estar Animal foi acionado para resgatar o bichinho, que estava ferido e sangrando. O cãozinho foi encaminhado para atendimento emergencial, mas não resistiu. Segundo a administração municipal, o cachorro tinha pressão baixa, vomitava com sangue e tinha escoriações múltiplas.

 

Segundo o delegado Bruno Lima, deputado eleito pelo PSL, várias testemunhas ouvidas no fim de semana no hipermercado confirmaram, informalmente, as agressões.

 

Com a instauração do inquerido os depoimentos devem ser prestados à Polícia Civil para formalizar as acusações de maus-tratos. Funcionários do Carrefour também serão ouvidos.

 

Já Carrefour disse que a segurança é terceirizada e que o profissional envolvido nas denúncias foi afastado preventivamente. Em nota, a empresa também definiu como "um grave problema" o fato ocorrido na loja e que não vai se eximir das responsabilidades.

 

"O Carrefour reconhece que um grave problema ocorreu em nossa loja de Osasco. A empresa não vai se eximir de sua responsabilidade. Estamos tristes com a morte desse anima. Somos os maiores interessados para que todos os fatos sejam esclarecidos. Por isso, aguardamos que as autoridades concluam rapidamente as investigações. Desde o início da apuração, o funcionário de empresa terceirizada foi afastado. Qualquer que seja a conclusão do inquérito, estamos inteiramente comprometidos em dar uma resposta a todos. Queremos informar também que estamos recebendo sugestões de várias entidades e ONGS ligadas à causa que vão nos auxiliar na construção de uma nova política para a proteção e defesa dos animais. Carrefour Brasil”.

 

Acompanhe abaixo o vídeo divulgado pela ativista Luisa Mell

 



Comentários desta notícia 0



Comentários - ver todos os comentários


Seja o primeiro a comentar!

© Copyright 2002-2018 SEGNEWS - Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Rede SegComunicação. SEGNEWS e SEGWEB são marcas da BBVV Editora Ltda, devidamente registradas pelas normas do INPI — Instituto Nacional da Propriedade Industrial.